sábado, 25 de maio de 2024
- Anúncio -spot_img
InícioPráticas e RituaisBanho de Ervas e Limpeza EspiritualBanho de Ervas Revelado: Mistérios e Renovação na Umbanda

Banho de Ervas Revelado: Mistérios e Renovação na Umbanda

A Essência Sagrada do Banho de Ervas: Uma Incursão pela Umbanda

Introdução aos Banhos de Ervas

A arcaica sabedoria da humanidade, desde os tempos mais remotos, aponta para a diversidade prodigiosa e a utilidade inestimável do reino vegetal. Dentro das tradições ancestrais brasileiras, esta sabedoria encontra sua expressão na prática da Umbanda, onde os Banhos de Ervas assumem uma relevância transcendental.

De tintas rústicas mas autênticas, os Banhos de Ervas na Umbanda traçam um elo emblemático e vital entre o homem e a natureza, entre o físico e o espiritual. Essa conexão singular, tão cara à própria essência da Umbanda, convida-nos a desvendar um universo intrincado de significados que cercam estes rituais de purificação.

O Banho de Ervas é, em essência, um ritual de purificação, realizados com a intenção de limpar as energias físicas e espirituais, desobstruir caminhos e trazer clareza para a mente e o espírito. A Umbanda, rica em tradições e simbolismos, emprega diversas ervas nos banhos com finalidades específicas, desde o alívio do estresse à elevação espiritual.

Esta prática milenar é uma expressão genuína da sabedoria ancestral e da conexão de qualquer umbandista com a natureza e seus espíritos. Irá ainda para além das questões corpóreas e científicas, pois o Banho de Ervas encerra em si um ato de fé, um gesto simples de revisitar as nossas origens e reconectar-se com o ambiente natural que nos envolve.

Características dos Banhos de Ervas

Cada banho de ervas tem sua individualidade, com combinações específicas de ervas que se alinham com as intenções ou os objetivos que o praticante procura alcançar. Entre as práticas da Umbanda, destacam-se os banhos de limpeza, de energização e de descarrego, cada um com seu conjunto de ervas apropriadas.

É de se destacar que estas plantas sagradas, cada uma com suas peculiaridades, ajudam na limpeza, equilíbrio, harmonização e fortalecimento do campo áurico do indivíduo. Além disso, também atuam como instrumentos para honrar os Orixás e entidades espirituais, fortalecendo assim o vínculo entre os praticantes e as energias superiores.

Antes de serem usadas no banho, as ervas são consagradas em um ritual próprio, com cantos e oferendas, realçando a importância não apenas do banho em si, mas também do preparo dessas ervas. Há ainda os banhos de ervas quentes e frios, casa um com sua singularidade, reforçando a versatilidade da prática.

Em suas multifacetadas formas e propósitos, os Banhos de Ervas resumem o elo palpável e inextricável que liga o umbandista à natureza – um chamado silencioso que ecoa da flora e convida para um encontro com nossas raízes mais profundas.

História e Origem do Banho de Ervas na Umbanda

A Umbanda, uma religião multiforme e profundamente influenciada pela sincretização das culturas africanas, indígenas e europeias, herdou a prática do Banho de Ervas da sabedoria milenar africana. De tratamento medicinal a ritual sagrado, os banhos vêm sendo usados ao longo dos séculos para limpeza, cura e proteção espiritual.

Na Umbanda, a natureza é vista como a chave para compreender o divino e o universo. Por isso, as ervas assumem um papel central nos rituais umbandistas. Elas são vistas como mediadoras – os meios através dos quais os orixás podem influenciar o mundo físico. Desta maneira, a prática de banhos de ervas se torna uma maneira de conectar os crentes com as deidades que influenciam suas vidas.

Ao contrário do uso medicinal comum, na Umbanda, são utilizadas partes específicas das plantas relacionadas aos Orixás, como folhas, flores, cascas, raízes e sementes, de acordo com a necessidade do ritual. A escolha das ervas geralmente é baseada em sua correspondência com os Orixás, suas propriedades medicinais e espirituais, ou o problema que o devoto deseja resolver.

O banho de ervas, na Umbanda, é quase sempre realizados com a intenção de limpeza e purificação. Por meio do contato direto com as ervas sagradas, os crentes esperam atrair energias positivas, se proteger contra influências negativas, tratar doenças físicas e mentais e estabelecer um equilíbrio mais profundo com as energias divinas.

A complexidade do Banho de Ervas

Classificação dos Banhos de Ervas

Existem diferentes tipos de banhos de ervas na Umbanda, cada um com propósitos específicos. Esses banhos podem ser categorizados de acordo com a finalidade, a fase da lua durante a qual são realizados, as ervas usadas e o Orixá ao qual estão associados.

Ciclo Lunar e Banho de Erva

O ciclo lunar tem um papel importante na eficácia do banho de ervas. Acredita-se que a lua crescente seja propícia para rituais para atrair coisas boas, enquanto a lua minguante é favorável para rituais para eliminar energia negativa e doenças.

Significado Espiritual do Banho de Ervas

Banho de Ervas na Umbanda

A Umbanda, uma rica religião sincrética brasileira, encontra no uso das ervas uma poderosa forma de entrada na espiritualidade. Os banhos de ervas, nesse contexto, ressoam como uma ferramenta profunda na busca pela purificação e proteção individual e coletiva.

No lúdico e evocativo universo umbandista, cada erva possui uma vibração energética específica, capaz de auxiliar no desbloqueio de energias negativas e trazer equilíbrio à vida das pessoas. Por isso, a escolha das ervas para o banho não é aleatória, deve ser baseada na necessidade espiritual do indivíduo.

A relação das ervas com os Orixás na Umbanda é outra faceta da importância dos banhos de ervas na prática dessa religião. Cada Orixá tem sua erva que é usada para atraí-lo durante os rituais, fortalecendo a conexão entre o Orixá e o fiel.

De modo geral, o propósito de um banho de ervas na Umbanda, além da higiene física, é o banho espiritual. É uma maneira de alinhar a energia, focar a mente e preparar o espírito para a recepção das bênçãos e proteção dos Orixás.

Significado de Purificação e Proteção

No contexto do banho de ervas na Umbanda, a purificação pode ser vista como uma limpeza profunda que vai além do corpo físico, atingindo também a aura e o espírito. Ela remove as “impurezas” energéticas, deixando o indivíduo pronto para receber todas as boas vibrações e energias positivas.

Por outro lado, a proteção é uma barreira energética criada para afastar negatividades. Depois de purificado, o próximo passo é proteger-se contra influências negativas. Nesse sentido, o banho de ervas atua como uma espécie de escudo, protegendo o indivíduo de energias adversas.

Em ambos os contextos, o banho espiritual ajuda a rejuvenescer a energia do indivíduo e a revigorar sua aura, permitindo uma conexão mais profunda com a divindade e um maior sentimento de bem-estar e equilíbrio em seu dia a dia.

Mais do que um ritual de autocuidado, o banho de ervas na Umbanda é uma prática sagrada que ajuda a promover a harmonia entre o corpo, a mente e o espírito. Ele auxilia na conexão com o divino, promovendo uma maior percepção do mundo espiritual e facilitando o trabalho interior de transformação e crescimento pessoal.

Como Preparar um Banho de Ervas

Nosso contínuo périplo pela vida, levita frequentemente sobre os mares da espiritualidade. Na tantativa de descobrirmos o nosso verdadeiro eu, a Umbanda se apresenta como um dos caminhos mais repousantes. Possui um formidável catálogo de práticas que auxiliam no purgar de impurezas psíquicas, uma delas é o banho de ervas.

Quase que uma sinfonia silente, todas as etapas são executadas com reverência e propósito. Ervas cuidadosamente selecionadas são as estrelas deste palco, cada uma carregando consigo um distinto potencial energético. De roseiras a Arrudas, os dotes herbáceos da Mãe Natureza se fazem integralmente presentes.

Seleção e Preparo das Ervas

No coração deste rito de purificação, a seleção das ervas é um passo da mais alta ordem de importância. O ideal é que as ervas sejam coletadas no amanhecer, onde suas energias estão no auge. É, também, de grande vulto mencionar que devemos pedir permissão à planta e agradecer antes de fazer a colheita.

Uma vez coletadas, devem ser maceradas em um pilão com um pouquinho de água até se transformarem em uma pasta inebriante. Essa mistura é então coada, retendo-se o líquido. Recomenda-se que este líquido seja diluído no banho de imersão.

O Banho

O banho é um ritual de imersão totalmente diferenciado. As luzes são atenuadas, velas podem ser acesas e um silêncio contemplativo é mantido. A água permeada pela essência da planta é então derramada no corpo, do pescoço para baixo. Esse ato em si, é uma demostração de respeito e adoração à natureza.

Acredita-se que a água com a essência de ervas absorve as energias negativas, purificando o indivíduo. Após o banho, não se utiliza toalhas, deixando o corpo secar naturalmente. Esse gesto conclui a transfixiante experiência de um banho de ervas.

Lembrando que este é, definitivamente, um fenômeno individual. O que importa não é a profusão de ervas usadas, mas sim a intenção por trás do banho e a fé de cada um.

Na fé e na luz, caminhereis sempre.

Uso de Ervas Específicas em Banhos

Ante a vasta tapeçaria tecida pela natureza, algumas preciosidades merecem destaque pelo seu uso particular na prática da Umbanda, como é o caso das ervas em banhos rituais. Seu uso não é meramente utilitário ou estético, mas conduído, sobretudo, pela intenção espiritual de purificação e renovação.

A Arruda, conhecida pelas suas propriedades protectoras, por exemplo, é tradicionalmente utilizada para dispersar negatividade e desarmonia. Como um purificador poderoso, funciona como uma barreira, protegendo contra influências prejudiciais, repelindo energias desarmônicas e promovendo um ambiente de paz.

Em contraste, a Alfazema é utilizada para atrair positividade e tranquilidade. Com o seu perfume calmante e sua ligação com as águas, a Alfazema é usado para aliviar o stress, acalmar a mente e chamar as energia positivas. Imbuindo os sentidos com uma aura serena, ajuda a centrar o espírito e a focar a mente, facilitando a meditação e a comunicação espiritual.

A erva de Guiné, com suas lindas flores roxas, assume na Umbanda o papel de protetora e sanadora. Empregada nos banhos rituais, é acreditado que ela auxilia na cura de enfermidades físicas e espirituais, além de fortalecer o escudo protetor ao redor do indivíduo.

O Alecrim, com suas folhas aromáticas, é reconhecido por suas propriedades revitalizantes. Utilizado nos banhos, acredita-se que o alecrim promova a energia positiva, revitalizando não apenas o corpo, mas também o espírito. Sua presença no banho ritual é associada à renovação e ao rejuvenescimento.

O Manjericão, com suas folhas verdes e aroma característico, é uma erva associada à proteção espiritual. Nos banhos rituais, o manjericão é utilizado para criar uma barreira contra energias negativas, fortalecendo a aura do indivíduo e proporcionando uma sensação de segurança espiritual.

O Hibisco, com suas flores vibrantes, é uma escolha para aqueles que buscam amor e harmonia. Acredita-se que o hibisco nos banhos rituais pode abrir o coração para o amor, promovendo relacionamentos saudáveis e atraindo energias de compaixão e equilíbrio.

A Sálvia, com suas propriedades purificadoras, é frequentemente utilizada nos banhos para limpeza espiritual. A sálvia é associada à sabedoria e à clarividência, sendo empregada para dissipar energias negativas e promover a introspecção espiritual durante os rituais de banho.

Uso Ritualístico

Neste contexto, o uso destas ervas é feito através de banhos rituais, não se limitando apenas ao cuidado físico do corpo, mas também, e mais importante, cuidando do seu aspecto espiritual. **O preparo do banho é um ritual a parte**, exigindo aConsciência e respeito pela natureza das plantas e a intenção correta do praticante, que precisa estar focado na tarefa que está executando.

Deve-se lembrar que o banho ritualístico com ervas na Umbanda é um fenômeno complexo, que envolve não só o aspecto físico do corpo, mas também o aspecto emocional, mental e espiritual do ser humano. No processo de limpeza e purificação, o praticante está, na verdade, buscando um estado elevado de consciência e sintonia com as forças divinas.

Nesta ampla gama de plantas, cada erva tem o seu papel e importância dentro de um banho ritual. Esses processos, orientados pela doutrina espiritual de Umbanda, são um exercício maravilhoso de harmonização com a natureza e um caminho para alcançar uma existência mais equilibrada e feliz.

Considerações Finais

Este artigo não visa fornecer um guia definitivo, mas sim um breve vislumbre sobre a complexa e linda relação entre o homem, as ervas e o sagrado. Com razão, o uso de ervas na Umbanda é um tema amplamente discutido entre os adeptos, sempre seguindo os ensinamentos passados ao longo das gerações.

Termina-se com o pensamento de que a natureza é uma extensão do divino manifestada fisicamente – e que se tratada com respeito, pode prover não só alimento e abrigo, mas também orientação espiritual e cura. Assim, as ervas nos banhos da Umbanda não são apenas vegetações, mas parceiras nesse constante caminho de se entender e compreender o universo espiritual.

Respeitar a natureza é, portanto, um passo importantíssimo para quem busca a própria elevação. Nessa busca, lembra-se sempre de que não somos senhores desta terra, mas sim parte dela. Cada planta tem sua energia, seu axé, seu orixá. Cada banho que tomamos com essas ervas é uma possibilidade de entrar em contato com estas energias, abrindo nosso coração e nossos caminhos para o crescimento espiritual.

Perguntas mais Frequentes

Qual é a finalidade do banho de 7 ervas na Umbanda?

Estes banhos são elaborados com ervas de poder, destinados a promover a limpeza espiritual, fortalecer a proteção energética do campo áureo e combater influências negativas, como invejas. Além disso, o banho de 7 ervas é reconhecido por ampliar a sensibilidade do médium em sua interação com entidades espirituais. As ervas incluídas nesse banho, como Colônia, abre caminho, alfazema, alecrim, arruda, manjericão e guiné, são escolhidas especificamente por suas propriedades espirituais, oferecendo uma abordagem holística para a purificação e fortalecimento energético.

Quais são as ervas de Exu?

A composição inclui Aroeira, Gengibre, Hortelã, Picão Preto, Pau Tenente, Limão e Pitanga.

Qual o banho para Pomba-Gira

Este banho, elaborado com um conjunto de ervas ritualísticas cuidadosamente escolhidas, tem o propósito de purificar e renovar as energias, contribuindo para o fortalecimento da evolução espiritual. Os ingredientes incluídos na composição são anis, artemísia, poejo, malva, pitanga, rosa e maçã.


Sugestão

Para saber mais sobre o Banho de Ervas, uma boa leitura: A Magia dos Banhos de Ervas: Acesse o poder das ervas e transforme a sua vida com a energia da Mãe Terra

5/5 | (1 votos)
Livia Serra de Luz
Livia Serra de Luz
Lívia Serra de Luz é uma dedicada estudiosa e praticante da Umbanda, compartilhando essa paixão com seu marido, João Carvalho de Luz, há mais de 15 anos. Nascida na vibrante Salvador, Bahia, Lívia foi envolvida desde cedo pelos ricos elementos culturais e espirituais que permeiam a cidade, berço da Umbanda. Seu interesse pelas raízes espirituais do Brasil se entrelaça com o amor pela natureza e pelas tradições orais que ecoam a sabedoria ancestral.
ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos mais lidos

7 Fundamentos da Umbanda

De Onde vem os Orixás

A Poderosa Oração a Oxalá

Comentários

5/5 | (1 votos)